quinta-feira, 4 de março de 2010

sexagésimo segundo ~

[And the worms ate into his brain...]


Ele estava completamente sozinho em sua sala, esperando a noite que vinha para afugentá-lo. As badaladas do enorme relógio batiam de acordo com o coração do homem. Sua respiração estava ofegante.
Esperava sentando em sua velha cadeira, quase caindo aos pedaços. Esperava companhia, que de fato teria. Procurava nos cantos da casa os vermes que logo começavam a chegar... Um a um, grotescamente, todos chegaram.
Pouco a pouco eles subiam pela carne fresca do homem, carne na temperatura ideal para um banquete. Quem poderia saber se era o fim? Somente a lua era sua testemunha, e nem mesmo ela não apareceu para iluminar aquela noite.
Ele permaneceu imóvel na cadeira enquanto os vermes penetravam sua pele, permaneceu forte, com olhar intacto e vazio. Nem mesmo um grunhido foi solto naquela noite.

Ele esperava a hora do jantar... Até descobrir que era ele.

''- until there was nothing left
- and he was totally alone.
- sitting and waiting for dinner time.
- But the dinner was... him.''
(conversa de msn, criada por causa do meu nick)

(dedicado ao grande João Góes, me ajuda nas inspirações mais malucas!)

5 comentários:

Fai disse...

Wow o:

Ceres disse...

"Vês?! Somente a ingratidão -- essa pantera -- é sua companheira inseparável..."

Texto bem augustodosanjesco esse, hein?

Legal

Macabéa. disse...

Que bom que vc gostou, gostei do que encontrei no seu blog. To seguindo vc, a Clarice é maravilhosa. Tens msn? se tiver me adc naay1990@hotmail.com
bjos

Edgard ♠♦O Pierrot♥♣ Antonello disse...

Nossa seu blog é muito bom. Encontrei textos aqui que me surpreenderam. Meus sinceros parabéns! Vou seguir ok? Dá uma passada no meu depois, axo que vc vai gostar bastante. Segue se possivel rs :p

Dal Molin disse...

Wow, really liked this one. Keep on the good work =]